sexta-feira, 9 de abril de 2010

Nostalgia

Hoje foi um dia daqueles. Não foi horrível, até fiz algumas coisas legais, mas foi um dia no qual tudo que eu queria que acontecesse, simplesmente não aconteceu. No fim do dia, estou sozinho em casa e sinto todo o peso desse "estar só". Não é a primeira vez que me sinto assim, nem a segunda nem a terceira, esse sentimento é um velho conhecido, bem como seu significado: não estou satisfeito com minha vida. Quando estou de bem com a vida, satisfeito em relação a como a estou levando, não há dias de solidão que me façam sentir assim. Mas quando não estou satisfeito, até as melhores companhias dos melhores amigos parecem insuficientes.

Então, aproveitei esse meu momento a sós comigo mesmo e me pus a pensar no que mudou desde aquela época em que eu me sentia realmente feliz e nada podia me abalar. Quais caminhos, quais decisões, quais escolhas me fizeram chegar aonde estou hoje? Devo concordar comigo mesmo quando chego à conclusão que houve escolhas que teria mudado, que teria feito diferente. Perdi contato com muitos amigos realmente queridos que hoje (talvez) pensem que eu me afastei de propósito. Não, não foi de propósito, embora a culpa tenha sido minha, ou nossa. Vamos vendo que estamos nos afastando, mas nenhum de nós faz nada, e a distância vai aumentando, como um trem que parte da estação, mas numa marcha muito lenta, você vai sentindo ele se afastar aos pouquinhos, mas quando se dá conta ele já se perdeu no horizonte.

Ah, sem dúvida esse é um dos motivos pela minhas insatisfação com minha própria vida hoje. Meus amigos são 80% de mim, e os que acabam ficando no caminho são, cada um, um membro que faz falta na minha caminhada na vida. Mas não é só isso. Aos poucos estou perdendo também a jovialidade. Estou perdendo a capacidade de me divertir sem pretensões, sem ter um porquê. Acho que estou num processo que todos passam, e do qual eu sempre quis fugir: estou virando adulto. E o pior tipo de adulto: chato, ranzinza, mal-humorado, mente fechada. Virar um adulto é inevitável, e não devemos fugir disso. O grande segredo, já ouvi muitas pessoas mais velhas dizerem, (e ouçam os mais velhos... Com os ouvidos que ouvem!) é aproveitar cada fase da sua vida. Quando for criança, seja criança. Quando for jovem, seja jovem. E assim vai! Cada fase tem seus bônus e seus ônus, o desafio é saber aproveitar os bônus e minimizar os ônus.

Amanhã eu farei isso! Amanhã eu volto pra minha luta pra me tornar um adulto legal, um adulto do jeito que eu gostaria de ser. Aproveiar minha "adultisse". Mas hoje, hoje eu quero ser o Henrique da 8a série, quero ser o Henrique do 3o ano, quero ser o Henrique brincalhão, amigo, leve, solto, despojado.. Quero de novo a convivência com todos aqueles com os quais não convivo mais... Quero não saber o que fazer da vida e não me cobrar por isso... Quero entrar numa escola nova.. Quero ter meu primeiro beijo...Quero ter meu primeiro amor... Quero fazer meu primeiro vestibular...

Acima de tudo, quero que todos meus amigos, distantes e presentes, sintam-se abraçados com todo amor do mundo que eu conseguir reunir. Vocês são e sempre serão minha base. Obrigado por existirem.

5 comentários:

Guilherme disse...

Claro que um dia nós encontramos aquela porta que nos permitirá adentrar no mundo adulto. Novos pensamentos, responsabilidades... No entanto, não é preciso ser um adulto "adulto". Podemos ser mais velhos e manter o espírito. Coisa que muita gente não faz, pois abandonam "os sonhos" de ter uma vida que sempre quis ter. Cara admiro muito você. Seja você mesmo, ou melhor o Henrique sempre foi e será...

Comentador Fiel disse...

"Quero ter meu primeiro beijo"

E ae gatinho...=p

Ser adulto é muito chato, adultos só gostam de jogar Winning Eleven. A gente acaba esquecendo do que nos faz diferentes e nos entregamos a "normalidade"

Poeta Idealista disse...

Crise da meia idade é?
Me chama quando tiver sozinho!!
E acho que isso acontece um dia com todo mundo, mas olhando para trás acho que estou bem feliz com os caminhos que eu escolhi, ao menos na vida profissional, né!

beijos, pop boy

Poeta Idealista disse...

ah é:

Take me back to the place where I
Loved that girl for all time
Why must life just take away
Every good thing one at a time

I want it back
Well yes I want it back
Yes I want you back
Please give it me back
'Cause I want your love

How can I not even cry?
For such a big thing in my life
The pain it takes the part of me
Turn around and say goodbye


adoro essa música
"Take me back to the place where I
Loved that girl for all time"

me lembrou seu post essa frase :D

vitor disse...

devo confessar Henrique, temos muito em comum. Crescer doi. Vivemos um pouco de dor a cada dia.
Mas pior seria ficar estagnado. nunca poder descobrir os onus e os bonus da vida adulta.