sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Existe vida após o namoro?

Ola people!! Tanto tempo depois cá estou eu! Não tive muito tempo pra pensar em posts nos últimos meses, mas hoje eu acho que pensei tanto na vida que deu pra tirar a teia de aranha dos neurônios e dar um cutucão pras sinapses acordarem!

Então, como o título diz, esse post é sobre a vida pós-término de namoro e é óbvio que se eu estou falando disso é pq algo aconteceu com meu namoro! Fiquei solteiro recentemente depois de 4 anos e 9 meses de namoro e desde então eu tenho sofrido pra me adaptar novamente ao "mercado de trabalho".

Minhas considerações vão soar um tanto quanto óbvias para 99% dos leitores, alguns solteirões convictos e outros (ex)namorados experientes, mas são as coisas que pude perceber nesse curto período de solteirisse.

1) A vida de solteiro é a própria encarnação da Lei de Murphy! Quem gosta de vc não faz o seu gosto e aquela pessoa de quem vc gosta não dá a mínima para você! Uma afirmação simples e conhecida de longa data, mas é sempre necessário enfiar a cara na parede pra se tocar que o tempo pode ter passado enquanto vc (eu) estava namorando, mas certas coisas nunca mudam, e essa é uma delas. Mas sem pânico por favor, algum dia nós acabamos gostando de alguém que sinta o mesmo por nós, e aí, ah garoto, aí vale o tempo de espera! ;D

2) Você vai passar dias e noites MARAVILHOSOS, vai curtir com seus amigos, alguns que você não via de longa data, vai começar a olhar as garotas por aí, algumas vão retribuir, outras não, e assim você acaba ficando numa boa. Mas por melhor que sejam esses dias, sempre vai ter aquela noite que você ficou um casa sozinho, vai bater uma vontade imensa de ligar pro(a) ex, as lembranças das noites passadas juntos, dos filmes assistidos, dos bons momentos (porque nessa hora o namoro parece perfeito e as brigas somem da sua cabeça) vão vir e aí é ter a cabeça no lugar e tentar ficar numa boa, ou o menos pior possível. Essa, na minha opinião é a pior fase, mas também é o começo da superação, e serve pra pensar e tentar amadurecer pra não cometer os mesmos erros numa próxima relação.

3) Não adianta! Por mais que você tenha encontrado uma pessoa legal e esteja curtindo um bom momento com ela, ou por mais "amigo" que você tenha se tornado do(a) seu(sua) ex, a primeira vez que você encontrar ele com outra pessoa não é nada fácil e não tem remédio pra isso. Meu conselho é: evite brigas, armas, drogas, prédios altos, o Pátio Brasil e, principalmente, evite ficar pensando nisso. Siga sua vida, assim como ele(a) seguiu a dele(a).

4) Essa consideração é altamente pessoal, mas quero deixar aqui também. Quando se está namorando, na maioria das vezes, o namorado(a) nos serve de apoio para os momentos difíceis, serve de motivação quando temos planos e nos faz companhia nas horas mais solitárias. Esse tipo de coisa faz falta e traz um bocado de insegurança, como se já não bastasse a insegurança habitual dos solteiros, algo como "vou ficar só?"... Essa falta do apoio, do porto seguro, é uma das partes mais importantes, na minha opinião, para o crescimento pós-namoro, digo isso porque para suprir essa falta é comum, e recomendável diria, uma busca maior pelo auto-conhecimento, saber suas limitações, suas capacidades, seus anseios para então poder dar um passo à frente sabendo o que você pode encontrar e sabendo quais suas "armas" para enfrentar, mesmo sozinho, as adversidades que virão.


5) O mais importante: o término de um namoro, independente do seu tamanho, não é o fim da vida! Muito pelo contrário, é o começo de uma nova vida, cheia de coisas e situações diferentes para experimentar. Saiba aprender com o que passou, abra a cabeça e saiba aproveitar o que virá! Não e fácil, mas o que é fácil não engrandece! ;D

Ânimo e vamos à vida!!

7 comentários:

Poeta Idealista disse...

Gostei muito do seu post, Henrique! Mesmo porque sou a pessoa mais meodramatica quando se trata de términos de namoro, você bem sabe ahueoaheiuhae! Ainda tem noites que eu não consigo dormir e choro até de madrugada o.O Me identifiquei mais com a questão numero 4. É muito bom ter alguem com quem conversar sobre tudo(tudo mesmo), aquele tipo de companheirismo que você não tem com quase ninguém. Acho que essa é a parete que eu mais sinto falta no namoro, a cumplicidade. Se bem que no meu caso, era muito mais da minha parte. Mas eu sei que você ainda vai encontrar alguém muito especial e não importa quem seja, ela vai ser muito feliz ao seu lado! E olha que eu dou sorte aos casais alheios ahueauheiae
;********~~

Ah, é meio cliché e talz, mas se precisar e só chamar. Acho que eu não fui uma boa amiga pra muita gente enquanto eu estava namorando!

Comentador Fiel disse...

Esse seus texto me lembrou uma série da interwebs que eu adoro, chamada "Tales of mere Existance".

No caso do post me lembrou a "How to break up in 64 easy steps" que fala sobre as diversas fases do pós-namoro.

se te interessar.
http://www.youtube.com/watch?v=Hfl9e53LX_U

Matheus Muniz disse...

Já dá pra chorar? .-.

Na verdade não, porque seu texto é auto-explicativo e sem frases deprimentes.

Isso é ótimo, porque alguém lá em cima tá mandando eu ver de tudo pra superar um amor que não volta.

Acho que já li uns 200 textos, vi cenas de novela, filme, propaganda...

O namoro acabou tem 19 dias e eu ainda consigo chorar e sentir falta. u.u'

Mas pelo menos não estou sozinho.. :D

Olá, você não me conhece, acabei de clicar, prazer, Matheus! haha

Poeta Idealista disse...

Ih, Matheus
o meu já faz 2 meses e eu tô começando a deixar de chorar agora aheoahiuehiouhe
então você não ta tão mal não!

Cassi Umetsu disse...

realmente, não podia concordar mais... estou na msm situação e feliz por ter pessoas que tbm estão passando por isso (não desejando o mal). acho q por isso a gente tem q voltar a ter nossas longas conversar no casapark!hsuiahsuiahsuai me ajudavam bastante, espero q ajude vc tbm! :*

Matheus Muniz disse...

Nay, chorar não é o remédio. Mas é o início pra perceber que algo não vai bem. heuheuheu

Mari disse...

You should follow your very own advices, dear!

Muito bom o texto!!

Beeeijos Mari