quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Teoria #2 - O tempo e seus efeitos

Já há muito tempo o tempo é discutido por diversas pessoas e abordando diversas facetas deste voraz monstro que tudo engole!
Eu vou me aventurar nessa viagem pelo tempo junto com outros muito melhores que eu que já falaram a respeito dele, mas faço isso humildemente, respeitando meu próprio raciocínio e minhas limitações. É uma refelexão simples e descompromissada, espero que a leitura seja boa, pelo menos! Allons-y!


Existem aqueles momentos nos quais estamos na companhia de uma pessoa muito querida, ou fazendo algo que nos dá muito prazer ou em alguma outra situação na qual as horas passam voando, todo mundo já passou por uma situação dessa e a isso, não sei quem deu esse nome, mas me foi citado pelo John, daremos o nome de hipercompressão temporal. Dentro do mesmo raciocínio temos a situação inversa, na qual estamos fazendo algo muito chato, esperando alguma coisa, etc etc etc o tempo se arrasta e o que era para ser uma espera de "meia-horinha" parece um dia completo. Pois é, a isso daremos o nome de hiperdilatação temporal.

Ok, todos já passamos por ambos os tipos de situações, isso não tem nada de novo e você já está se perguntando "Por que eu to lendo isso?". Aí que entra minha teoria.

A partir de uma análise breve da vida e de um raciocínio simples, eu teorizei (Não concluí. É uma coisa a ser posta em discussão) que esses momentos de hiperdilatação e hipercompressão temporal afetam diretamente nosso organismo e a nossa fisiologia. "WHAT?" Sim, é isso mesmo! Vou explicar melhor, com um exemplo:
Você trabalha num emprego que não te agrada. Todo dia você faz a mesma coisa e as horas se arrastam enquanto você está dentro daquela sala. Supondo que você trabalhe 6 horas por dia (se deu bem, pelo menos não são 8h!!) mas tenha impressão de que passa, digamos, 8 horas lá dentro (claro que isso não é facilmente mensurável, mas é só pra entender melhor) o que eu quero dizer é que, na verdade, para seu organismo, suas células, seus órgãos e etc, de fato se passaram 8 horas e não apenas as 6 horas que rodaram no relógio. Entendeu agora? "Hmm..."

Pois é, essa discrepância entre o tempo sentido e o tempo "real" pode ser maior ou menos de acordo com a atividade e tal, mas o negócio é que, essas duas horinhas acumuladas por dia por essa pessoa, ao final de, sei lá, 20 anos de carreira dá uma bela carga horária, então, enquanto a pessoa viveu 40 anos, o organismo dela já viveu bem mais do que aquilo. Por isso vemos pessoas que tem 40 anos e parecem ter 60, enquanto há outras que tem 50, mas parecem ter 30, pois o inverso também serve. Claro que isso envolve outros fatores, como cuidados com saúde, alimentação e etc, mas eu acho que essa relatividade (malz aí Einstein, não tem muito a ver com você não) do tempo é desconsiderada ou pelo menos subconsiderada.


Poderia enrolar mais e explicar mais do mesmo, mas acho que deu pra pegar, certo?

Talvez vocês discordem, talvez vocês concordem, mas a idéia é essa, propor uma discussão ou pelo menos uma reflexão, daí pra frente só depende de você acreditar ou não e tomar atitude, ou não, a respeito disso!

Um abraço a todos!

4 comentários:

Gordo disse...

Concordo... mesmo que nao possa ser comprovado (ainda) cientificamente... eh uma teoria valida: quem vive uma vida chata tende a viver menos e vice-versa

.::/v\i£ä::. disse...

Interessante! Entendo o seu ponto e concordo também. É por isso que as pessoas devem buscar fazer aquilo que elas curte na vida!
Aliás, já é comprovado por inúmeros estudos ciêntíficos e psicológicos o efeito que o stress pode causar no organismo, e esse stress pode vir de muitas coisas como o desgosto ou frustração por aquilo que se faz...

Comentador Fiel disse...

Concordo que um emprego enfadonho gera desgaste maior das células, mas não porque o corpo viveu mais tempo em um intervalo menor, mas sim porque as células se desgastaram mais.

Mas vale filosoficamente.

Henrique disse...

Que tipo de argumento é esse??

"Concordo que as células tiveram um desgaste maior, mas não pelo que você disse, e sim porque elas tiveram desgaste maior."

Isso não é muito explicativo ou discutível..